Capa - Reprints são importantes?

Reprints são importantes?

Fala galera! Caetano aqui outra vez! E hoje vamos falar do “Vale a pena ver de novo” do MTG, sim… Vamos falar de reprints e porque eles são importantes para manter o jogo saudável e por que tantos jogadores riem e choram quando o assunto é esse.

Mais do mesmo?

Reprint? É de comer?

Mas primeiramente, o que são esses tão famosos reprints? Atualmente Magic the Gathering conta com mais de 260 coleções dentre coleções básicas, expansões e outras tiragens especiais. São tantos sets e cartas lançadas que seria necessário muita criatividade para fazer cartas tão diferentes sem precisar repetir nenhuma característica, e ainda assim manter o jogo estável e coerente. Então a solução adotada foi fazer cartas com características parecidas e em alguns casos repetir algumas delas, isso são o que chamamos de reprints.

Quando temos cartas com características similares, chamamos de reprints funcionais, as vezes elas divertem quanto ao custo, cor ou mesmo algum detalhe em específico como por exemplo:

“Terror” e “Doom Blade”

Nesse caso temos Terror e Doom Blade, ambas as cartas são praticamente iguais, com a diferença de que Terror tem uma restrição maior de alvos e com a vantagem da criatura não poder ser regenerada em relação à Doom Blade. Sendo que a primeira vez que Terror saiu foi em Alpha, a primeira coleção de MTG, e Doom Blade em Magic 2010. Logo podemos dizer que Doom Blade é um reprint funcional de Terror.

E temos é claro cartas que são exatamente iguais, essas são chamadas apenas de reprints, como por exemplo:

“Optar” e “Optar”

Ambas as cartas tem as mesmas características embora de coleções e com ilusrações diferentes, tratamos casos assim como reprints. Agora que você ja sabe o que são reprints, o porque eles são tão importantes assim?

O lado bom dos reprints

Como disse anteriormente, Magic tem muitas coleções e cartas lançadas, algumas delas são fortes o suficiente para ver jogo competitivamente e isso gera uma procura muito grande delas, afinal todos querem um deck forte para participar dos campeonatos. Porém as vezes essas cartas saíram em uma coleção muito específica de um plano pouco visitado ou mesmo faz mensão à algum personagem bem específico e isso torna muito difícil essas cartas aparecerem em coleções fora deste plano ou sem relação à esse personagem.

Magic is money

Logo se há uma procura grande dos jogadores por uma carta assim, que teve uma tiragem bem baixa ou que à muito tempo não é reprintada o valor dela no mercado paralelo sobe muito e isso complica a aquisição dela por boa parte dos jogadores. É exatamente como a lei de “oferta e demanda”, e se temos uma demanda grande por parte dos jogadores a maneira que mais ajuda a regular essa situação é quando acontece o reprint, colocando mais cópias em circulação e consequentemente abaixando o valor dela.

Anualmente temos algumas coleções como as coleções Masters, que são inteiramente compostas de reprints e de onde sai a maioria dos reprints mais significantes, então se você está de olho em alguma carta que a muito tempo não sai, é uma ótima ideia ficar de olho nestes lançamentos.

Olha quem voltou!

Outro motivo para se empolgar em ver o relançamento dessas cartas é poder adicionar elas a outros formatos de jogo. Por exemplo, quando temos o reprint de uma carta muito antiga e ela se torna válida nos formatos mais recentes, ou ela volta com uma raridade diferente e pode ser usada no pauper por exemplo.

Porém nem tudo são flores vezes ou outra essas novas printagens acabam causando dor de cabeça em alguns jogadores.

Ah não, outra vez?

As vezes a alegria de alguns jogadores é a tristeza de outros, não é raro ver alguns jogadores infelizes com um reprint de alguma carta específica e isso se dá exatamente pelos mesmos motivos que citei anteriormente.

O preço do captalismo

Muitos jogadores fazem trocas, compram e vendem cartas entre si, chegando a alguns a tratar isso como sua principal forma de sustento. Logo assim que uma carta despenca de preço, isso pode trazer prejuízo, seja pelo próprio valor ou mesmo por se tornar mais difícil passar ela para outros jogadores.

Outro motivo que pode se tornar um problema são cartas que ao adentrar em um novo formato, pode gerar uma instabilidade de nível de poder e prejudicar o metagame, tornando as partidas muito injustas ou diminuindo a variedade de decks no circuito competitivo.

As vezes 2 já é demais

E então qual a sua opinião sobre reprints? Você acha que eles ajudam o jogo? Qual carta você quer ver reprintada? Vem falar comigo pelas redes sociais que eu vou gostar muito de saber sua opinião e conversar sobre o assunto. Vocês podem me encontrar em:

Instagram – @caetano_rcf

Twitter – @caetano_rcf

Facebook – Link

Fico por aqui e até a próxima postagem, falou galera, TCHAU!